RESENHA DE “PUSH”: ESPECIAL 4 ANOS

RESENHA DE “PUSH”: ESPECIAL 4 ANOS

Hoje, dia 13 de fevereiro, é aniversário de 4 anos do lançamento de Push como o quarto single do quarto álbum de Avril Lavigne, Goodbye Lullaby.

Como assim? Você não sabia que Push era single?

Bem, você não está louco! Push foi lançada apenas no Japão.

E por que comemoramos um single lançado apenas no Japão?

Bem, porque Push é uma das favoritas dos fãs e definitivamente um dos pontos altos de Goodbye Lullaby.

Avril_Lavigne_-_Push

(A capa do single Push)

Para começar, vamos a algumas curiosidades alguns dados técnicos:

Push foi composta por Avril Lavigne e seu grande amigo, o guitarrista Evan Taubenfeld.

maxresdefault

(Avril e Evan durante a Avril Lavigne Tour)

– Ela chegou a número 35 na Billboard do Japão e recebeu ótimas críticas da mídia

– Críticos citaram Push como um exemplo da influência de Alanis Morissette na música de Avril (algo que não ouvíamos desde o lançamento de Losing Grip)

– Evan canta o verso da música, mas não recebe o crédito de “feat”. O motivo? Só Deus Avril Lavigne sabe.

– Push é uma das canções favoritas de Avril de Goodbye Lullaby. Ela mesma diz isso em várias entrevistas.

– Avril Lavigne teve dúvidas sobre qual faixa deveria lançar com single: Push ou Smile. Ela perguntou aos seus seguidores do Twitter e Smile foi a vencedora. É bem provável que Push tenha sido a opção de Avril e Smile a de sua gravadora na época, a RCA. Eles vinham insistindo para que Avril mudasse seu som e lançasse faixas mais animadas. Uma prova disso é…

– Push só foi lançada logo após a saída de Avril da RCA e sua entrada na Epic Records.

– Originalmente, Avril planejava um álbum mais sério e Push seria seu primeiro single. Sua gravadora sugeriu que voltasse ao estúdio e trabalhasse com Max Martin. Dessa parceria, nasceram What The Hell, Smile, Wish You Were Here e I Love You. As faixas mais comerciais do álbum.

Estranhamente, Push foi produzida por Deryck Whibley, o ex marido de Avril, que também toca todos os instrumentos na gravação.

rs_560x415-140520101631-1024.avril-derek.cm.52014

 

(Deryck Whibley e Avril Lavigne, quando ainda estavam juntos)

O que dizer sobre Push?

Avril traz uma combinação que não fazia há muito tempo: seus graves e seus agudos vem intercalados na canção com sucesso. Tivemos uma dose grande de graves em seus dois primeiros álbuns e The Best Damn Thing se esforça para soar o mais feminino o possível. Os backing vocals também são um ponto favorável no último refrão e fazem a música mais contagiante.

A letra carrega um estilo muito típico de Avril Lavigne. Se analisarmos Goodbye Lullaby, o álbum traz um conteúdo pesado de término e mágoa. Embora ele marque uma despedida de um relacionamento, ele divide uma parcela de culpa constantemente: metade do tempo, Avril diz deixar alguém para trás, na outra metade, ela fala sobre ser deixada. Push fala de amor como todas as outras faixas, mas se diferencia exatamente ao não marcar o fim. Ela fala de recomeço. Push é sobre dar uma nova chance e tentar mais uma vez. Até seu posicionamento é cuidadoso: se retirarmos as faixas impostas pela gravadora, temos Push como a primeira faixa do álbum. Avril começa tentando fazer dar certo e aceita o fim inevitável em Goodbye.

Os palavrões, pela primeira vez, não estão forçados. Eles entram onde a letra pede e parecem frases que falamos no dia a dia (“Se você f*der tudo, você roda!”). No quesito letra, o ponto mais fraco talvez seja o verso antes do último refrão.

Falando do verso, a voz de Evan Taubenfeld, que já não é muito forte por si só, não faz uma aparição marcante, especialmente se contrastada com a de Avril Lavigne, que está em sua melhor forma. O mais impressionante de Push não são os vocais bem trabalhados, mas o fato de que Avril os performa com perfeição ao vivo.

Um dos pontos negativos, não da faixa em si, mas do álbum como um todo, é que a versão acústica de Push, presente na versão deluxe, muda muito pouco da versão original. Push é praticamente acústica por si só e existiam faixas que se beneficiariam mais da versão.

Meu veredito: Push deveria ter sido single e Smile deveria ter ganhado a versão acústica do álbum.

Dois comentários sobre a letra de Push:

– Você já se perguntou o que exatamente “Push” quer dizer nesse caso? Bem, é impossível traduzir Push diretamente para o português porque ele é parte da expressão “(when) push comes to shove” que significa algo como “quando a situação aperta”, “quando o bicho pega” ou “quando a situação fica crítica”. Traduzir como “aperto” não faz muito jus a letra.

– É difícil afirmar com certeza se o refrão é Avril cantando para seu namorado ou se é algo que ele diz para ela. Uma vez que seus encartes geralmente não trazem aspas, não dá para ter certeza se o refrão é uma citação ou uma frase corrida. Como assim? Bem, você pode ler Push como “se é para darmos certo, então é sua vez de dizer que talvez você deva simplesmente se calar, mesmo quando tudo fica difícil, pois baby o amor é assim.”, ou seja, ele deve dizer para si mesmo e engolir os sapos. Outra opção é ler como “se é para darmos certo, então é sua vez de dizer que ‘talvez você deva simplesmente se calar, mesmo quando tudo fica difícil, pois baby o amor é assim.'” Nesta segunda interpretação, mais interessante para a letra, Avril reclama dele no verso e no refrão ele pede para ele dizer que ela deve ser mais paciente. Aparentemente, ela está se cansando, mas ele poderia lhe dar um choque de realidade. Ela quer o choque… A sacudida (Push! Ha!).

Bateu saudade?

Olha ela aqui: